02

Minha vida no Tesouro Direto

Este é um Artigo especial que preparei para você, contando minha experiência como investidor em títulos brasileiros, no Tesouro Direto.

Em 2002, o governo brasileiro permitiu que os cidadãos comprassem e vendessem títulos públicos federais através da internet. O investimento mínimo era baixo, de forma que o pequeno poupador poderia aproveitar esta oportunidade.

Em 2003, tornei-me um dos primeiros investidores do Tesouro Direto, e logo, passei a focar minhas aplicações em uma carteira de títulos de longo prazo.

Naquele momento, o Brasil ainda não possuía o grau de investimento das principais agências de classificação de risco. A aplicação era pouco conhecida e não tinha nenhuma divulgação. Quando eu comentava com alguém, ninguém sabia o que era.

Porém, eu não era apenas um investidor do Tesouro Direto. Eu era mais do que isto. Eu transformei este produto em algo fundamental nas minhas decisões financeiras, e ele passou a exercer sobre mim uma profunda disciplina financeira, essencial para um investidor de sucesso.

Através do Tesouro Direto, você pode determinar qual parcela dos seus recursos devem ser destinada a uma carteira diversificada de títulos, para curto, médio e longo prazo. Minhas decisões de consumo eram analisadas frente às oportunidades da aplicação, com vista a fomentar a aposentadoria e, sobretudo, a minha liberdade financeira e de minha família.

Fui estudando o tema, confrontando cada momento com as aplicações. Em 2007, o Brasil obteve o grau de investimento, mas com a crise das hipotecas dos Estados Unidos naquele ano. Consegui assim, ao longo de mais de uma década, observar mais de 150 extratos mensais e ver como os investimentos iam se comportando em cada conjuntura econômica.

Procurei livros e artigos sobre o tema, mas achava tudo muito pouco diante do potencial que a aplicação oferecia. Quando eu tentava explicar para alguém como funcionava o investimento em títulos públicos, observava que eu precisava de muito tempo e atenção do ouvinte. Assim, lancei ao final de 2013 um curso destinado a ensinar a toda e qualquer pessoa “Como Aplicar em Títulos Públicos e Renda Fixa”. E em 2015, um site específico: www.comoaplicar.com.br para cursos e treinamentos.

O curso passou a ter um volume crescente de alunos e interessados. Mais do que isto, as avaliações dos participantes me mostravam que eu estava no caminho certo, e que era necessário um curso presencial, onde o professor pudesse esclarecer ao vivo e na hora as dúvidas dos participantes. Além disso, era preciso ter didática e clareza, pois o curso era destinado para pessoas que não conhecessem a área de finanças.

Uma das principais diferenças do curso é que não ensino a pessoa a comprar um determinado título de acordo com seu perfil ou necessidade, mas sim, uma carteira de títulos individualizada. O conceito de carteira tem sido uma das principais abordagens do curso.

Com duas dezenas de edições ao final de 2015, procurei que cada edição fosse atualizada e melhorada sempre, de forma contínua.

Outro dia, um participante do curso disse-me: você é bom neste curso porque ele é a sua própria vida. Você vive o próprio curso.

Um planejamento financeiro pessoal e foco no Tesouro Direto ajudam muito no processo de liberdade financeira e formação de poupança com finalidade para uma boa aposentadoria. O objetivo é sentir-se bem e levar uma vida compatível com seus projetos. Boas aplicações no Tesouro Direto para você.

Deixe sua resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *